Olá visitante

segunda-feira, 1 de julho de 2019

Multiculturalidade


É na diversidade que as crianças crescem e se desenvolvem. É com essa diversidade que aprendem que há outros povos com outras formas de viver, com culturas diferentes da nossa. Através de pequenos projetos conhecemos outras escritas, outras músicas, outras danças, arquiteturas, outras comidas, outros costumes...

Acolhemos no nosso jardim de infância uma grande diversidade de culturas.





O Brasil foi  abordado na sua grande diversidade de animais, plantas, florestas e com ajuda de duas encarregadas de educação aprendemos a construir e a brincar com o bilboquê, um brinquedo tradicional e a fazer bolinhos de queijo.




Trabalhamos um pouco da cultura dos índios, o seu modo de vida sustentável, onde vivem, o que fazem e pintamos uma tenda para brincadeiras no exterior. Fizemos pinturas faciais e cocares.
A China foi uma cultura que despertou também muito interesse nas crianças. Conhecemos a escrita, alguns costumes, como o dragão chinês, a forma de comer com os pauzinhos, a beleza dos leques e as características da arquitetura.
Conhecemos um pouco da Rússia, através da música, dança, arquitetura, escrita, folclore, gastronomia, e claro, não podia faltar o jogo das matrioscas.
Jardim de Infância do Choupal, um jardim multicultural.

terça-feira, 4 de junho de 2019

Tie Dye


Tie dye é um termo inglês usado para descrever o processo de tingimento de tecidos feito com corantes próprios.

Com esta técnica conseguem-se desenhos muito coloridos, com padrões surpreendentes.
Com o nome formado pelas palavras “amarrar” e “tingir”, traduzidas da língua original, o tie dye é produzido há séculos pelas culturas asiáticas, africanas e americanas, e ganhou destaque, sobretudo, nas décadas de 1960 e 1970, ao ser apropriado pelo movimento hippy.

Experimentamos esta técnica de pintura e ... UAU!!! ficamos mesmo surpreendidos com os resultados.

Preparamos os tecidos amarrando algumas pontas  com elásticos. Diluímos as tintas e iniciamos a pintura, não esquecendo de proteger a roupa com batas e as mãos com luvas.

O tecido de lençol só por si, pintado e amarrado pelas pontas,  já nos encantou. Descobrimos que as cores se misturavam e formavam novas cores.

Cada criança teve oportunidade de criar o seu próprio padrão colocando os elásticos de diversas formas.

Que padrões surpreendentes!!!



E para que servia o lençol?... para brincar ao paraquedas! que momentos divertidos nos proporcionou esta atividade.

quinta-feira, 16 de maio de 2019

Brincar com as sombras

Fomos ao parque num dia de Sol e descobrimos as nossas sombras.




 

 Olha que giro! As nossas sombras são pretas. Porquê? Quando chegamos ao jardim -de -infância fomos fazer experiências com diversos objetos. Descobrimos que as sombras dos objetos transparentes mantinham a cor e a dos objetos opacos ficava preta.  Percebemos que a luz atravessa os objetos transparentes como nos vidros das janelas e nas lupas, mas não consegue atravessar o nosso corpo e o de outros objetos que não são transparentes. 



Fomos para o exterior brincar com pedaços de papel celofane e ficamos muito surpreendidos. UAU!...que giro o contraste das sombras pretas e das coloridas!
 



Fizemos sombras com as mãos a imitar animais. Vejam se descobrem um COELHO, um GATO, duas SERPENTES a lutarem, um mostro e um ALCE Muitos outros animais surgiram.





Quisemos também experimentar fazer teatro de sombras chinesas. Decoramos uma caixa e escolhemos os personagens.
Escolhemos a história "chibos sabichões".
 

segunda-feira, 18 de março de 2019

Mais uma vez os jardins de infância do concelho de Santarém  uniram-se num projeto comum, com vista a uma exposição aberta à comunidade, onde através de um tema aglomerante surgiram trabalhos muito diferenciados. O nosso JI participou com dois trabalhos.

Um grupo quis construir cenários dentro de caixinhas de onde podem surgir diversas histórias, tais como:

Histórias de reis e rainhas, príncipes e princesas, cavaleiros e duelos...

Histórias dos museus,  dos artistas e das suas obras...

Histórias misteriosas do espaço e dos planetas...

Histórias das festas...

Histórias de palhaços e do que está por detrás, como por exemplo o camarim do palhaço...

Histórias do tempo dos dinossauros...

Histórias do mar e da praia...

Histórias da floresta encantada...


Cá estão as caixinhas na exposição, fazendo desafios a quem as observa... vá abram-me e descubram o que tenho dentro!!...


O outro grupo escolheu a história dos Chibos Sabichões.
Para além de ser uma história muito ao gosto das crianças, tem a ponte do Ogre que é feita de pedras, o rio que também tem muitas pedras e até os cascos dos chibos ganharam pedras para fazer o som: PATATI; PATATÁ; PATATÂO. 



Todos ajudaram a construir os personagens e a dar-lhe vida através de pintura e colagens. 
Não pode faltar o rio com os peixes e...
Os ossos que o Ogre pendurava na ponte, de todos os que se atreviam a passar por lá.

O ogre a tomar conta da sua ponte.

Os 3 chibos sabichões.
O som que as patas dos 3 chibos faziam...


E aqui estão representados na exposição.